quarta-feira, 13 de abril de 2011

Roda-Gigante

A escada que leva a Roda-Gigante é enorme. E a Roda-Gigante é gigantesca. O meu pai diz: “Quando você tiver grande não vai achar a Roda-Gigante tão grande assim.” Mas eu sinto que vou continuar achando a Roda-Gigante imensa. A menina me olha de dentro da Roda-Gigante. E a Roda-Gigante demora muito para completar uma volta. Eu quero que ela veja o quanto eu sou forte e como eu suporto bem todas essas voltas. Os meninos que conseguem suportar a volta da Roda-Gigante sempre são recompensados com sorrisos. Os olhos da menina são enormes e me acompanham do céu, e ela também tem uma boca enorme com dentes grandes e brancos. Eu não estou agüentando e sinto vontade de vomitar as minhas tripas. O meu pai sempre me pergunta: “Você é um homem ou é um bolinho de carne?” Eu quero dizer: eu sou um bolinho de carne! Mas ele não vai entender. Quando a Roda chega ao ápice, eu desejo que todo mundo morra. Mas enquanto penso isso vejo que a Roda já está no chão e me surpreendo por ter conseguido resistir. A mãe da menina espera com os óculos na mão. Ela me olha com olhos estrábicos e dá um sorriso. Põe os óculos e vai embora puxada pela mãe.

2 comentários:

  1. Delano adorei seu texto.
    Já linkei seu blog no meu, assim ficamos em contato.

    ResponderExcluir
  2. O capítulo 22 do livro "Todo mundo é Jhow!", de Delano Valentim II, está disponível para download. Leia algumas páginas do primeiro colocado na categoria romance do "Edital Novos Autores Fluminenses - 2010/2011" da Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro: http://www.mobileditorial.com.br/?p=397

    ResponderExcluir