quinta-feira, 6 de outubro de 2016

Seu Madruga Da Penha...

Seu Madruga está sentado numa daquelas esquinas da Penha onde tem um barzinho e onde homens de todas as idades se encontram. Salvo alguma avó que aparece para arrastar alguém para a casa as mulheres não tem muito o quê fazer ali. Aliás, ali não há muito o quê fazer. Mas agora é final de tarde e mais pessoas circulam. É tempo de pipa. Seu Madruga pita seu cigarro e olha para o alto. Eu estou sentado entretido com o celular. Jogando. Matheus levanta a cabeça do celular e diz: nada pra fazer nessa Penha! O Seu Madruga fala para dentro do bar. Fala para o céu e para os moleques soltando pipa. Vai pegar um livro cara, eu não vejo vocês com um livro! É mole, nada pra fazer! Eu penso que desde que eu conheço o Seu Madruga, ou seja, desde que eu nasci que ele não sai das primeiras páginas do Alquimista de Paulo Coelho. Um cara passa de caminhão, reduz, e diz: Seu Madruga, me dá um dinheiro aí! Seu Madruga diz: dinheiro... Palavra fácil de ser pronunciada! Papel difícil de ser obtido! E o bicho, Madruga? Macaco! O cara do caminhão acelera e vai embora. Passa uma mulher que eu vejo todos os dias. Ela deve ter metade da idade do Seu Madruga. Sempre que ela passa a expressão do Seu Madruga se transforma e ele resmunga coisas para si. Eu sempre tento escutar. Nossa... Meu Deus... Que isso... Ele diz outras coisas sem sentido. Matheus sorri. Um cara de óculos todos os dias quando vê Seu Madruga pergunta: e o Flamengo? Dá pra ser campeão? Seu Madruga sempre faz com que ele fique com uma expressão preocupada. Vamos ver... Vamos com calma! O cara de óculos segue angustiado. De repente o telefone toca. Seu Madruga pega o telefone da minha mão e diz, vão bora que a sua vó já tá enchendo o saco. Matheus pergunta, Seu madruga, esse moleque não vai aprender a falar, não? Seu Madruga me puxa pela mão e me pergunta: o quê eu sou seu? Vovô! Eu respondo. Ele olha para Matheus sorrindo e nós caminhamos