sexta-feira, 23 de setembro de 2016

SNJ - Somos Nós A Justiça!

eu sei que o SNJ é um grupo famoso com um trabalho vasto. mas eu quero voltar no tempo. chega de saudade, nada! o quê é bom é para ser revivido. eu me lembro que esse CD Somos Nós rodava para lá e para cá na mão de todo mundo no meio dos young folks com quem eu andava. assim como o CD do Sabotage (que ainda rola direto nos carros) eu devo ter prendido o “meu” de alguém, que logo na sequência foi afanado. E todo mundo vinha com aquele papo de vamos fazer um rolo, eu te dou tal CD... mas quando viam que o dono do CD não aceitava ameaçavam ficar com o CD na marra. não sei se alguém conseguiu preservar o seu desde aquela época. ele era como um livro ensebado que roda na mão de todo mundo. colocar a mão num CD desses deve dar a mesma sensação do que segurar um joystick de sua adolescência para quem teve videogame. não vou usar aquele clichê dos críticos musicais de que o CD é atual. não é isso, cara! é que nada mudou. assim como o CD do Sabotage que roda direto nos carros. depois caí na real de que o quê tem que mudar é a situação, e não o que os rappers dizem. o rock se renova toda geração porque o mundo é careta. então todo mundo sabia cantar as músicas daquele disco. Viajando na Balada. Sem Essas Nunca Nessas que é um dos sons que eu mais gosto. Sem contar as levadas, a rima longa, que é ótima, uma das melhores que eu já ouvi... “na mídia só tem louco”... ainda hoje. aquele lance da televisão, eu ainda me sinto como se observasse os bobos da corte em frente a tevê quando eu ouço essas músicas. eles buscaram levadas próprias, mas não é só isso! todo o estilo. era a música para o meio da rua. para skatista, sei lá! mas as crianças gostavam, os velhinhos, como eles anunciavam. a Biografia Feminina. o nome de todas aquelas mulheres negras. Covards. No Mundo da Lua. Ato Fatal. raps em que eles falam contigo como se fossem vozes dentro da sua cabeça. é uma conversa ao pé do ouvido. o alerta sobre o perigo das ruas. a voz no meio de uma viajem errada, a sua cabeça está no mundo da lua! chamando a pessoa para a realidade. os ecos. tudo. e assim como Epitáfio dos Titãs ou Tente Outra Vez do Raul Seixas, o clássico Se Tu Lutas Tu Conquistas é pode inspirar em momentos de fraqueza. quando a Lapa do Rio agonizava, antes de se transformar ponto turístico por causa de um personagem de novela. eu estava num baile de rap quando vi dois ou três do SNJ. creio que a menina estava junto. eu disse a eles, vocês são um dos melhores grupos de rap de rua do Brasil! não sei o quê eu quero dizer como rap de rua. eu me lembro de um deles cutucar o outro, na humildade, para ouvir o quê eu dizia. na época eu os havia comparado com o RZO ou algo assim. a prova de que esse CD é atemporal é que quando eu era criança eu havia me esborrachado tentando voar igual ao Super-Homem. e não duvido nada que tenha muito garotinho por aí de nariz quebrado.