domingo, 4 de agosto de 2013

Marilyn e JFK - François Forester

Marilyn Monroe. o sobrenome é do pai substituto. a mãe era maluca. vivia internada tentando se matar. do pai verdadeiro não sabia nada. nem sabia que tinha irmãos. a guarda dela foi dada a uma família, que depois passou a bola para outra família. um dia o patriarca da família bêbado tentou abusar de Marilyn que tinha apenas 11 anos. antes da família se mudar, eles casaram Marilyn com o vizinho que a levava de carona para a escola. onde sempre rolava uns amasso. ele tinha um trabalho. um cara bom que caiu na besteira de ir para guerra. quando voltou, Marilyn sabendo do seu poder de sedução, deu um chute no traseiro do rapaz, e partiu com um cara do exército em troca de umas fotos sensuais e uns trabalhos. começou a sua escalada rumo a fama. sempre o medo de ficar maluca igual a mãe. se entupindo de remédios. uma junkie de farmácia, como diz o autor. Marilyn conseguiu entrar na alta roda prestando serviços sexuais. e dizem as más línguas que era especialista na felação. o Kennedy adorava uma rapidinha. puxou o pai. dane-se o prazer da mulher. Marilyn não quis ficar como o Joe DiMaggio que representa para o Baseball, o que o Maradona representa para o futebol mundial. Joe amava, e respeitava Marilyn, e queria que ela se casasse com ele, e abandonasse toda aquela bajulação, lavasse a sua roupa no tanque, enfim. ele queria tira-lá daquele vida. mas não era isso que ela queria. Marilyn gostava mais da glória do que do dinheiro. tinha a síndrome de Madame Bovary. a matriarca da família Kennedy era uma carola que rezava depois do sexo. uma das filhas seguia o mesmo estilo. a outra retardada passou por uma lobotomia com a autorização do pai. uma delas era casada com um ator medíocre que trabalhava de atravessador de mulheres para Frank Sinatra, e para o próprio cunhado. uma vez Kennedy perguntou ao empregado negro o que os negros queriam. o empregado disse que não sabia. e Kennedy respondeu: eu quero comer todas as mulheres de Hollywood. aprendeu isso com o pai. Kennedy era de uma família de caipiras irlandeses, machistas, e antissemitas. mas eles também eram discriminados. o sonho de ser presidente pertencia ao pai, que não conseguiu alcança-lo, passou a tarefa para o filho mais velho, que infelizmente veio a falecer. Kennedy ficou na rebarba. o seu irmão Robert posando de ministro tentava dar uma de herói e provocou a ira de mafiosos, com os quais o pai tinha rabo preso. Jackie Kennedy era uma menina atrás de grana e fama. uma esposa perfeita com a sua classe e ambição. era um casamento de fachada que o pai Kennedy mantinha aos trancos e barrancos. mas o mais impressionante é saber que Marilyn Monroe não usava tampão higiênico. enquanto homens do mundo inteiro sonhavam casar com ela que não tomava banho direito, um reles mortal abria a braguilha para ela dar uma chupada em troca de um papel melhor num filme. segundo o livro. e saber que a sua casa era suja. que ela era uma acumuladora, e que um amante uma vez ao descer da cama pisou na merda do cachorro. enquanto o povo sonha com os seus heróis, eles se divertem na Casa Branca. Frank Sinatra e Arthur Miller (ex-marido) tomaram pavor de Marilyn. Jackie odiava Frank Sinatra e seus capangas. ele era o braço da máfia entre os artistas, é o que dizem. rolava o troca-troca de casais no poder e o Kennedy era fã dessa fofocada toda. e isso tudo aconteceu numa época em que a espionagem era uma paranoia generalizada. Marilyn e seus surtos de loucura. querendo se tornar uma atriz dramática. troca-troca. até o psicanalista se apaixona por Mariyin. provando que a vida da mulher bonita é um inferno. é difícil acreditar que Kennedy tenha sido assassinado por um maluco. mas tudo acabou. vamos voltar a democracia, e esquecer o tempo em que Marilyn Monroe andava nua dentro de casa tendo surtos de loucura.

Nenhum comentário:

Postar um comentário