quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Ele Fala Brasileiro!

ele disse: ele veio aqui.... tem que vê... humildão, ele... num foi, Charles? eu disse: foi... ele disse: ele é lá da Itália (e fez um gesto para longe). eu disse: é, ele é italiano. balançando as pernas. ele se mexeu, deu um tapa no braço do outro, e disse: ih, ele é maneirão! ele fala até  nossa língua, ele! sentimos um vento frio. cruzei os braços. ele pôs a mão no rosto e disse: ele fala brasileiro. eu disse: é, ele fala brasileiro. depois fiquei pensando porque ele disse ele fala brasileiro. será porque ele é de algum grupo secreto ultranacionalista, ou porque ele segue a lógica do brasileiro fala brasileiro, português fala português, alemão fala alemão, e por aí vai. quando ele grita: evém o busão! nós, pulamos, dentro. a minha mãe diria: você entendeu o que eu falei, não entendeu? e logo após ela balançaria a cabeça.

terça-feira, 27 de agosto de 2013

Ninguém Vê Nada, Todo Mundo Filma Tudo...

a hora do beijo. Antônio Fagundes se aproxima da Ângela Vieira. é cena que Hollywood produz, duas, ou três vezes ao ano. vai rolar, o beijo. pronto. todo mundo levanta o celular, o computador, e seja o quê for em direção ao casal. você não vê mais nada. apenas as costas dos outros que não conseguem ver o planeta a olho nu. é assim na hora do batizado. é assim na hora do aniversário. é assim na hora da formatura. todo mundo está ocupado registrando o momento. num show que fui assistir tive a impressão que todo mundo era jornalista, ou celebridade, porque parte do público estava filmando o show, e a outra parte tirando fotos e enviando para o ciberespaço. filmar e assistir é a mesma coisa? uma vez assisti ao vídeo de uma mulher se afogando, um cara ajudava com uma das mãos, e com a outra segurava a câmera. quanta briga e estupro podiam ser evitados se o cinegrafista amador esquecesse o YouTube. o gol do Fio Maravilha da música do Jorge Ben Jor, hoje, teria sido filmado, mas não, assistido.

domingo, 25 de agosto de 2013

A Geração Dos Polegares Tortos...

o neguinho tá sentado na calçada da esquina embaixo da marquise. ele cruza as pernas longas como se estivesse em casa. o sorriso congelado no rosto. o moleque branco de óculos escuros tecla com os polegares que parecem mais longos, e ágeis. ele faz parte da geração dos polegares tortos. alguém passa de bike e grita alguma coisa pro neguinho que responde: viado, tu tá me devendo. aquela aposta! pensa que esqueci... o neguinho balança o dedo de forma negativa. a bike desce a rua. quando chega esse cara. tem isqueiro? o neguinho tira o isqueiro do bolso, dá ao cara, e continua em silêncio. o isqueiro prateado faz uma enorme chama. o cara fuma. devolve o isqueiro. o neguinho tá sem camisa, de chinelos, de bermuda, e o sorriso congelado no rosto. o cara fuma. o cara fala. domingo é chato pra burro, aí! o moleque branco tecla e responde: nada pra fazer, aí. na net. no Face. mó, tédio. o cara fuma. o cara fala. que horas é o jogo, hein? o branco tecla e responde: sei de jogo não, aí! e agora passa a teclar com apenas um dos dedos. e diz sem deixar de olhar pro aparelho. vou sair. dá um tapa na mão do cara. e um tapa na mão do neguinho. tecla atravessando a rua. ele diz: tenho que ir almoçar com a minha avó. o neguinho diz: ah, moleque, vai comer a gororoba daquela velha?! o branco diz: padrão Fifa. o cara fuma. o cara fala. Almoço de domingo... o neguinho sorriso congelado. 

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Guia De Sobrevivência No Centro...

não tem nada. foi atrás de alguma coisa. 45 graus na Presidente Vargas pira o cabeção de qualquer um. pão com manteiga e café no estômago. tontura. luzinhas azuis, e vermelhas. envelope pardo debaixo do braço. longas caminhadas. intestinos relaxados. dor de barriga. MacDonald`s. você finge que está falando com alguém no celular que está a sua espera no segundo piso. tampa pro banheiro. o carinha de uniforme nem vai notar. o sanitário do CCBB tem cheiro de eucalipto. esquece restaurante, e bar. esses caras não tem coração. pastelaria de chinês, nem pensar. agora, e o cafezinho? cai pra um sindicato ou pra uma associação. ainda mais se for algo cultural, sempre rola um pessoal marxista, meio cristão, que fala de ditadura, usa barba, e é magoado com o PT. mas o melhor de tudo, socializa o café. pergunta sobre futebol, eles adoram falar sobre futebol para se sentir parte do proletariado. faz alguma pergunta imbecil sobre alguma coisa que não se resolve ali, e cai fora. o cafezinho do Ecad era o melhor que existia. não sei se ainda é assim. mas alguém sempre grita: o podrão no Carioca, dois real, tô partindo pra lá! e é aquela correria. um atropelando o outro. botando o pé na frente pro outro cair. todo mundo com medo que acabe o pão. é aí que você vê o caráter do brasileiro. filipeta de puta. telefone público com foto de travesti. profetas enlouquecidos. você pergunta o preço que lê na placa para ter certeza. confere de novamente se as moedas ainda estão no bolso. o vendedor esfrega o valor na sua cara, como quem diz, eu sei que você só tem duas moedas e mais o RioCard! a pergunta: linguiça, ou salsicha? ouriça os pombos com quem você vai travar uma batalha por causa das batatas-palha. caju, ou maracujá? caju que maracujá da sono, você diz, mas é mentira, é porque o de caju é mais aguado. se conseguir vencer os pombos e ainda tiver tempo antes da entrevista, ou da reunião, eu te dou uma dica. põe o traseiro num banco do Campo de Santana, e conheça o tédio de verdade.

quinta-feira, 22 de agosto de 2013

O Poster!

o que está na janela fala: pô, que calor chato pra burro! dali se avista o cais. o cheiro da maresia podre empesteia os pensamentos. ela pinta as unhas em cima da cama. pôs um velho espelho quebrado próximo ao pé. a pintura da parede é verde. o esmalte é vermelho. ela diz: vai se fuder, maninho, calor do caralho! o outro que tá na rede enrolando tabaco numa Colomy, diz: pô, olha, seu mano, esse calor tá de fuder, mermo, ó! no radio alguma noticia. atrás da menina que pinta as unhas tem um poster do Luan Santana. numa noite em que o quê está na janela, que é marido da menina, chegou bêbado em casa, disse que ia tirar o poster do Luan Santana dali. foi uma confusão danada. dizem que até que uma pá de voou. ele disse: isso não canta, nada! isso, é um fresco! ela disse chorando, bêbada, você tem que me aceitar do jeito que eu sou! aos poucos a ressaca passou. os ânimos foram se aclimatando ao marasmo. e o poster ficou por ali. hoje não incomoda ninguém. ele fuma, bate a cinza do cigarro na janela, e fala: lá vem véio, ó! desce a rua na maior correria. pô, seu mano... quase que não te pego, ó! adianta um frila aí... o velho puxa um cigarro e dá a ele. depois o velho faz a mesma pergunta de sempre: e o nosso time? ele diz: eu acho que vai, ó, esse ano, num sei não, nós vamo arroxa eles aí, ó! então o velho desce a rua satisfeito.

quarta-feira, 21 de agosto de 2013

O Sossega Leão É Proibido?

ele disse: mostrou na televisão um cara zoando a Brasil, atrapalhando o trá-fe-go. eu disse: eu vi. tinha que dar um sossega leão, nele... ele me olhou como se eu fosse contra os direitos humanos, e essa treta toda. eu disse: sossega leão não é só porrada, não. uma vez fiquei internado na enfermaria de um hospital público. e aí tinha um velho que toda madrugada as 2 em ponto, ele começava a gritar que o filho era isso e aquilo, aquela treta dos velhos. e ninguém conseguia dormir. mas tinha uma enfermeira de cabelo vermelho, diziam as más línguas que ela cheirava éter no banheiro para suportar o plantão. ele com sotaque carioca me pergunta cantando... mentira? sério! quando era o plantão dela o velho começava. o que é, que há?! o meu filho fazer um papelão desses... me deixar no meio dessa porção de gente desclassificada! eu sou funcionário público, bacharel em jornalismo, ele erguia o dedo, cuspindo, e concursado! aí vinha a enfermeira. ela sempre tava com uma coriza, e ficava mexendo no nariz o tempo todo. ela dizia toda ouriçada, balançando os dedos, vou dar um sossega leão, nele! ela ia lá dentro e voltava com o líquido que despejava naquela bombinha. o velho dormia como se fosse uma donzela. ele me pergunta: mas o sossega leão é proibido? eu digo: não sei. nós descemos do muro e vamos caminhando pela linha do trem. 

domingo, 18 de agosto de 2013

Tem Cura Para A Compulsão Sexual?

o chileno está no fundo do bar, ouvindo a maquininha de música que toca Raul Seixas pela centésima vez, ele comprou cem fichas. a mesma música, Eu Nasci Há Dez Mil Anos Atrás. este chileno veio paro o Rio junto de uns peregrinos que vieram atrás do Papa, e acabou ficando por aqui. hoje ele trabalha na pastelaria de um chinês, e aluga um barraco na favela do Mandela. estou num canto do boteco com o meu violão encostado, e vendo a cerveja esquentar a minha frente. o casal ao lado briga por causa de uma revista que está em cima da mesa, e que tem uma matéria sobre um ator que diz ter compulsão sexual. ela diz: não se tem cura para a compulsão sexual. depois balança a cabeça. eles não dormem já faz uns dois dias. a garrafa de Big-Apple jaz na mesa. o namorado sacode o crânio e dá um trago no cigarro como quem diz que não se conforma com a assertiva. a menina com o cabelo tingido de rosa parece inconformada como um torcedor de futebol ao ver a marcação de um pênalti contra o seu time. ela se vira para o rapaz do boteco que passa o pano em cima do balcão, e pergunta: tem cura para a compulsão sexual? ele diz: como é que eu vou saber? eu sou apenas um atendente de boteco! aos poucos o Raul Seixas morre ao fundo.

quinta-feira, 8 de agosto de 2013

Aí, Qual Foi Daquele Neguinho?!

se liga, aquele neguinho foi lá na reunião no morro lá, nós recebemo ele bem, certo. porque o amigo tinha dado o papo que o mano era maneiro. então nós recebemo ele bem, porque tu sabe que cum nós num tem esse bagulho de miséria, mesmo. que sempre vai ter um que vai salvar uma carne ou um baseado, que tu sabe que nós gosta de fuma nossa droga mermo, tá ligado? mas aquele mano levou o gringo, e o gringo ficou falando tudo enrolado, e nós num entendendo nada que o gringo tá falando, tá ligado? aí ele começou a falar do amigo. e disse que o amigo era muito fechado e que era isso e aquilo e que o amigo podia tá ganhando dinheiro com isso e com aquilo. mas que o amigo era devagar. aí nós se bolou com ele, e nós falamo, você num pode falar do amigo. porque se você tá aqui agora, desenrolando, trocando essa ideia com nós, é por que foi o amigo que abriu essa brecha pra você tá aqui. e nós já numa de partir pra cima dele, eu disse: o amigo é igual nós. a mesma merda. ele fica aí onde você tá sentado. foi esse papo que eu dei nele, e ainda disse pra ele se adiantar. porque se não a madeira ia cantar pra cima dele. interrompi a história, e disse: não. paz. por favor. ele perguntou: e, qual foi daquele neguinho?! eu disse: deixa ele pra lá. pus as mãos nos bolsos.

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Brigitte Bardot...

ela era a cara da Brigitte Bardot. eu esperava dentro do carro. tinha certeza que aquela seria a noite mais maravilhosa da minha vida. estava mais cheiroso que filho de barbeiro. levantei para pegar um ar, e fumar um cigarro. e também para não amassar o meu terno cheirando a lavanderia. trouxe todos os mimos. o chocolate. as flores. uma joia, uma correntinha de nossa senhora... e aconselhado por uma vendedora atenciosa, que me perguntou tudo sobre ela, trouxe uma blusinha de seda. disse a vendedora. ela se parece com a Brigitte Bardot. a vendedora fez cara de quem ouve isso todo dia. reafirmei, ela é a cara da Brigitte Bardot... bato com o sapato bicolor e engraxado na calçada. nunca saio sem dar um brilho no pisante. e hoje fiz questão de chamar o melhor barbeiro da família. estou com o meu melhor terno. não amassei as flores. o hálito está em dia com e trago a bombinha de própolis, caso exista alguma emergência. o cabelo engomado. ela surge vinda da porta. cambaleando. vejo a meia calça branca. ela não sabe andar de salto alto. parece bêbada. traz um casaco no braço. desligo a fita do Charles Aznavour. ela diz: matei o meu marido! e mostra a arma. o sangue espirra no meu terno novo. que droga. parte do sangue do marido dela espirra no meu terno novo. não gosto de ir a festa nenhuma de terno sujo. ainda mais com mancha de sangue. depois pra sair é uma merda. tudo porque ela se parece com a Brigitte Bardot. tudo por causa da droga da Brigitte Bardot. ela bate o pó na mão. cheira. e muda para uma estação que toca música clássica.

A Banana Mecânica...

o Cadelão olhou pelo retrovisor. eu tô afim de comer uma pizza. pôrra, é isso aí. tô afim de comer uma pizza. hoje é o meu aniversário! tenho direito, pôrra, tenho direito! eu disse a ele tentando amenizar as coisas, Cadelão, a gente não tem dinheiro pra comprar pizza. o Alexinho disse. a gente pode não ter dinheiro. mas a gente tem uma boceta pra servir de isca, e uma ferro. levantou a camisa Hering mostrando o trabuco. olhei pra Emma Bovary que chorava no banco do carona. Cadelão passou os braços em suas costas, e disse: num é, meu amor? pode deixar que hoje você vai chupar, e vai dar pra todo mundo. vai ser currada! vai ser divertido. eu disse ao Cadelão, sabe o que acontece, Cadelão, a gente pode pagar tudo com o meu cartão. eu tô com o meu cartão aqui. ele disse, já fazendo a curva, deixa o cartão pra mais tarde. pro motel. nada de cartão. só pago no cash! eu disse ao Cadelão. vamos liberar a Emma. ele me disse: vai dar pra trás, agora? liberar é o caralho! vai dar uma de escritor lá pras suas negas, filho-da-puta! insisti. Cadelão, ela não tá com vontade! ele entrou no estacionamento de uma pizzaria e ordenou, desce todo mundo. tinha um japonês num balcão. Cadelão disse: eu quero uma pizza portuguesa gigante, e a maior Coca-Cola que existir. o japonês disse: não tem mais. vou fechar. acabou tudo. quando o Cadelão puxou o velho pra fora do balcão pelo cangote. Alexinho me apontou a pistola e disse: se fizer alguma gracinha vai morrer junto! Emma chorava de cabeça baixa num canto, evitando olhar a cena e tentando sufocar o choro. enquanto Cadelão pisoteava o velho que gemia, e espirrava sangue. quando cheguei em casa o sol havia acabado de aparecer. no trajeto de volta viajei encostado na janela, e me arrependi de ter saído de casa naquele dia.

A Cela...

a menina loura que matou o pai está encostada na grade da cela enquanto brinca com um boneco de nome Pequerrucho. ela mesma o confeccionou nas aulas de artesanato. é bonita de perfil. já chegou a conclusão de que não valeu a pena matar o imbecil. mas pensa que a melhor coisa é esquecer tudo o que aconteceu e pensar daqui pra frente. hoje a situação dela é a prisão. a outra loura que picotou o japa também se arrepende de ter matado o infeliz. ela enxerga a cadeia como um lugar por onde se deve passar. um lugar onde algumas pessoas vivem. ela olha a menina, com o boneco, que dá um sorriso. sente ternura por ela. a morena de óculos que foi acusada de matar a enteada empunha a bíblia. em seu desespero ela diz. vamos começar a oração. a menina traz o boneco e brinca com ele como fosse um ventríloquo. ela diz, tia, vamos orar. as três riem. a morena de óculos vê a atriz na capa da revista, e pensa que aquele cabelo curto, e aquele visual louro não combinam com ela.

domingo, 4 de agosto de 2013

Lolita, Stanley Kubrick, Adrian Lyne e Vladimir Nabokov...

o filme de Kubrick se distancia do livro. ele apresenta o Humbert Humbert verdadeiro. sem a máscara social. nos conta os podres que Humbert Humbert só contaria a si mesmo. extrapola a imagem que Humbert Humbert cria das pessoas. no filme de Kubrick tanto Humbert Humbert quanto a mãe de Lolita são histriônicos. gosto do clima sombrio de thriller psicológico. do nonsense. aquela cena do atropelamento parece Hitchcock. gosto do toque noir. mas o Humbert Humbert do Adryan Line é mais próximo da descrição que o personagem faz de si mesmo. no filme de Kubrick, Petter Sellers impressiona já na primeira cena em que aparece dançando aquela musica formidável, assim como Lolita. Peter Sellers tem toda o seu ar canastrão. na cena do hotel tortura Humbert-Humbert psicologicamente. vi uma entrevista em que Nabokov evitou falar de Lolita de maneira mais profunda. ou ele não quis se limitar a falar de Lolita. também não sabemos que tipo de constrangimento sofria ao ter que falar de Lolita. o livro parece ter superado o conjunto da obra. Adrian Lyne acerta ao mostrar Annabel, a paixonite adolescente de Humbert Humbert, pois é uma substituta para ela que Humbert Humbert busca em todas as meninas até encontrar Lolita. a Lolita de Kubrick é mais sensual. mais tentadora. como na cena antológica em que toma banho de sol. mas é uma Lolita que não dá a mínima para Humbert Humbert. é uma Lolita cruel. já a Lolita do Adrian Lyne tem uns momentos de ternura com Humbert Humbert. pode até se dizer que rola uma lua de mel entre os dois. talvez isso seja mais próximo do livro. pois de alguma maneira ela alimenta o jogo. não pode ser sempre esnobe. na minha opinião a cena em que Humbert Humbert reencontra Lolita é a cena que gosto mais do filme de Kubrick. a noção do fracasso está ali. e novamente a memorável cena do reencontro em que fica explícito toda decadência e desespero de Humbert Humbert. doente de ciúme. também opino ser cena que mais gosto do filme de Adrian Lyne. mas o melhor é ler o livro, assistir aos filmes, e tirar as suas própria conclusões.

Marilyn e JFK - François Forester

Marilyn Monroe. o sobrenome é do pai substituto. a mãe era maluca. vivia internada tentando se matar. do pai verdadeiro não sabia nada. nem sabia que tinha irmãos. a guarda dela foi dada a uma família, que depois passou a bola para outra família. um dia o patriarca da família bêbado tentou abusar de Marilyn que tinha apenas 11 anos. antes da família se mudar, eles casaram Marilyn com o vizinho que a levava de carona para a escola. onde sempre rolava uns amasso. ele tinha um trabalho. um cara bom que caiu na besteira de ir para guerra. quando voltou, Marilyn sabendo do seu poder de sedução, deu um chute no traseiro do rapaz, e partiu com um cara do exército em troca de umas fotos sensuais e uns trabalhos. começou a sua escalada rumo a fama. sempre o medo de ficar maluca igual a mãe. se entupindo de remédios. uma junkie de farmácia, como diz o autor. Marilyn conseguiu entrar na alta roda prestando serviços sexuais. e dizem as más línguas que era especialista na felação. o Kennedy adorava uma rapidinha. puxou o pai. dane-se o prazer da mulher. Marilyn não quis ficar como o Joe DiMaggio que representa para o Baseball, o que o Maradona representa para o futebol mundial. Joe amava, e respeitava Marilyn, e queria que ela se casasse com ele, e abandonasse toda aquela bajulação, lavasse a sua roupa no tanque, enfim. ele queria tira-lá daquele vida. mas não era isso que ela queria. Marilyn gostava mais da glória do que do dinheiro. tinha a síndrome de Madame Bovary. a matriarca da família Kennedy era uma carola que rezava depois do sexo. uma das filhas seguia o mesmo estilo. a outra retardada passou por uma lobotomia com a autorização do pai. uma delas era casada com um ator medíocre que trabalhava de atravessador de mulheres para Frank Sinatra, e para o próprio cunhado. uma vez Kennedy perguntou ao empregado negro o que os negros queriam. o empregado disse que não sabia. e Kennedy respondeu: eu quero comer todas as mulheres de Hollywood. aprendeu isso com o pai. Kennedy era de uma família de caipiras irlandeses, machistas, e antissemitas. mas eles também eram discriminados. o sonho de ser presidente pertencia ao pai, que não conseguiu alcança-lo, passou a tarefa para o filho mais velho, que infelizmente veio a falecer. Kennedy ficou na rebarba. o seu irmão Robert posando de ministro tentava dar uma de herói e provocou a ira de mafiosos, com os quais o pai tinha rabo preso. Jackie Kennedy era uma menina atrás de grana e fama. uma esposa perfeita com a sua classe e ambição. era um casamento de fachada que o pai Kennedy mantinha aos trancos e barrancos. mas o mais impressionante é saber que Marilyn Monroe não usava tampão higiênico. enquanto homens do mundo inteiro sonhavam casar com ela que não tomava banho direito, um reles mortal abria a braguilha para ela dar uma chupada em troca de um papel melhor num filme. segundo o livro. e saber que a sua casa era suja. que ela era uma acumuladora, e que um amante uma vez ao descer da cama pisou na merda do cachorro. enquanto o povo sonha com os seus heróis, eles se divertem na Casa Branca. Frank Sinatra e Arthur Miller (ex-marido) tomaram pavor de Marilyn. Jackie odiava Frank Sinatra e seus capangas. ele era o braço da máfia entre os artistas, é o que dizem. rolava o troca-troca de casais no poder e o Kennedy era fã dessa fofocada toda. e isso tudo aconteceu numa época em que a espionagem era uma paranoia generalizada. Marilyn e seus surtos de loucura. querendo se tornar uma atriz dramática. troca-troca. até o psicanalista se apaixona por Mariyin. provando que a vida da mulher bonita é um inferno. é difícil acreditar que Kennedy tenha sido assassinado por um maluco. mas tudo acabou. vamos voltar a democracia, e esquecer o tempo em que Marilyn Monroe andava nua dentro de casa tendo surtos de loucura.

sexta-feira, 2 de agosto de 2013

Pulp Fiction!

então apareceu esse cara aqui em casa. ele era alto, usava calças jeans e chinelos. acho que era do Recife. parecia um personagem do Amarelo Manga, ou quem sabe o Selton Mello do Árido Movie. ele tem uma banda de vários estilos, e disse que em determinados países tem McDonald`s de acordo com os preceitos da religiosos. eu tava com aqueles caras com quem fazia teatro em Ipanema, e esse cara que tinha uma banda underground, disse: eu vou no McDonald`s. olhei pro ator politizado pra ver a sua reação. ele disse: McDonald`s é um lixo! prefiro comer no Bob`s. o cara da banda disse: cara, o McDonald`s é mais barato, e mais gostoso. o politizado disse: eles exploram as pessoas, argh! olhei pro cara da banda que respondeu: o Bob`s também. ele atravessou a rua e disse. eu vou nessa! não entendi quando aquele cara disse que o Tarantino se repetia. ele disse: vai, por mim. concordei. eu quero perguntar a ele se o Pulp Fiction não é uma obra prima. e se uma obra prima não basta para um criador. pois assim como Nabokov não era só Lolita, chegar a um livro que é unanimidade de público e de critica não é quase impossível. mesmo cravar um livro entre os mais lidos de uma país. tudo porque uma vez um cara me disse: tendo MacDonald`s se come bem em qualquer lugar do mundo. independente da cultura. lembrei que ele disse isso.

Um Dia, Sabotage...

quando eu peguei o disco do Sabotage pela primeira vez, tive certeza que ia gostar daquilo. não sei porque, era a capa, o nomes das músicas. País da Fome, por exemplo, é um nome sintético. foda. do caralho, porra! resume o Brasil. conheci gente que não gostava de rap, mas que gostava do Sabotage. agora, se você não é, vai ficar de bigode na pista. dificilmente vai entender o que Sabotage diz. já teve comedia que me disse não gostar do Sabotage porque ele só falava de um "cara" chamado Brooklin. mas vai pegar frases antológicas como. desencana. a fama que matou Daiana. El Ninho na Itália, na sul polícia mata. ele é um perito em comparações, não sei quem mata mais, a fome, o fuzil, ou Ebola, quem sofre mais, os pretos daqui, ou de Angola. muitos que estão com o pensamento ao contrário. e no seu trabalho com a imagem, o meu pivete se diverte. reparo o jeito dele, quando ouve o som do rap, esquece. Sabotage vem a público falar de pó. e a gente sabe que tem muitos irmãozinhos derramado, mesmo. o Sabotage diz que tem que parar de cheirar, ele fala isso com a maior naturalidade. não deixa de ser um pedido de ajuda. sem o pó, só verdim. sou Sabotage, pra ter mais humildade, só tomando Sustagen! Sabotage dispara a sua metralhadora giratória. são muitas palavras por metro quadrado. é muito rápido. é muita gíria. muita palavra cortada pela metade. Sabotage era gente boa. falava com todo mundo. conheço que gente que teve contato com o Sabotage, é unânime que o cara era gente boa mesmo no meio artístico, que é um lugar aonde a vaidade impera. é lógico que sempre existem os invejosos. vou longe, não preciso de capataz, dou meu sangue! até loki sente. é muito triste. é difícil ser feliz. Sabotage provavelmente era aquele cara que nas ruas das favelas é chamado de tio. e que todo mundo gosta. tanto os velhos quanto as crianças. Sabotage da religigiosidade afro. sobre os orixás. é de uma religiosidade brasileira... olhe por mais um nessa terra, senhor do Bonfim! sincretismo religioso. subiu para cantar num show de terno branco, e de blusa vermelha. e se vivesse no nordeste provavelmente ia falar do Padre Cícero. Sabotage fala de saudade do irmão, e das dificuldades de quem é pobre. mas fala isso como num blues. num tom de lamento. Sabotage não é agressivo. apesar da revolta é sereno. não é como a maioria de nós. por isso que para além dos palavrões. das gírias. e das historias do crime, todo mundo gosta do Sabotage. velho, ou criança. a sua filosofia é básica, e funciona. é só fazer o bem pra todo mundo ficar bem. ele tem a classe do Cartola. Sabotage deve ter tido uma iluminação na cadeia. Sabotage fez filmes. Até que um dia Sabotage ia levar a sua esposa ao trabalho, veio um cara, atirou no Sabotage, e acabou com a sua vida física. mas o Sabota já deve tê-lo perdoado.