quarta-feira, 16 de maio de 2012

Eu Fui Atropelado, Mas Não Morri!

A mãe vivia dizendo: Juninho não corre pra rua. E Juninho sempre ficava na Calçada. Admirando os carros com o seu ardor automobilístico. A mãe dizia: Juninho, se um carro te pegar, você morre, menino! Ela sempre dizia isso. Até que um belo dia, como numa fábula, Juninho correu. E foi atropelado. Mas nada demais. Só uma pancadinha de um motorista imbecil. Apenas um galo imenso na testa. Que de tão enorme a enfermeira disse: ele vai cantar hein, menino! Quando a mãe chegou ao hospital, carregada pela família, e sobre o efeito de calmantes, Juninho disse: mãe... eu fui atropelado, mas não morri!

A mãe de Juninho vivia assistindo aquele programa policial de hora do almoço em que o apresentador aterroriza as pessoas dizendo: o bandido foi pro saco! A mãe sempre assistia aquilo. E Juninho perguntou: o quê é ir pro saco, mãe? E ela: é quando a pessoa faz coisa errada e morre meu filho. Não pode fazer coisa errada hein? Ai, ai, ai! Quando o gato da família se esquivou para a rua. E ficou grudado que nem chiclete na roda do carro, a mãe de Juninho perguntou a ele: o que aconteceu com o bichano? E Juninho respondeu: foi pro saco!

Um comentário:

  1. O capítulo 22 do livro "Todo mundo é Jhow!", de Delano Valentim II, está disponível para download. Leia algumas páginas do primeiro colocado na categoria romance do "Edital Novos Autores Fluminenses - 2010/2011" da Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro: http://www.mobileditorial.com.br/?p=397

    ResponderExcluir