domingo, 13 de novembro de 2011

Bob Marley Desconhecido

Nós andamos uma hora de ônibus. Trinta minutos a pé. Um tempinho para beber água e ir ao banheiro. Ou seja, duas horas. Tudo para ver aquele que para a gente é um herói, e pro  mundo um completo desconhecido. Imagina um fã de reggae conhecer alguém a altura de Bob Marley? era mais ou menos isso. Ele nos recebeu na varanda. Parecia ansioso. Não conseguia se concentrar. O olhar sempre perdido entre a tevê e o que estava dizendo. Num momento lá se levantou para pegar o isqueiro, e  seu amigo disse: ele não tá legal. Briga de família, coisa de dinheiro... troço chato! Não parecia em nada com aquele cara que nós vimos pulando no palco. Era como se a porra de um gênio, tivesse preocupações cotidianas demais. Infelizmente, verdade. Ele havia brigado com os irmãos. Um treco desses. E isso me deixou deprimido. Aquele cara tinha que ficar sentado fazendo música, e não se preocupando com picuinhas. Isso é para gente que não sabe a direção de sua vida. Quando nos levantamos, ele disse: gostei de vocês. Por favor. Voltem novamente. É muito bom conhecer alguém que gosta do que a gente faz. Quando pisamos a calçada, ela me disse: tomara que ele fique bem. E eu completei: tomara. E ela: se pudesse eu pagava esse cara pra ele só fazer música!

Um comentário:

  1. O capítulo 22 do livro "Todo mundo é Jhow!", de Delano Valentim II, está disponível para download. Leia algumas páginas do primeiro colocado na categoria romance do "Edital Novos Autores Fluminenses - 2010/2011" da Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro: http://www.mobileditorial.com.br/?p=397

    ResponderExcluir